set 17

Claudia Bozzo
Está acontecendo uma briga de foice entre os fornecedores de filmes por demanda e produtores de conteúdo, da qual estamos mais ou menos distantes, embora sejamos os alvos e os reais culpados. Alvos, porque todos querem nossa atenção. E culpados pela falta de fidelidade. TV a cabo, por exemplo: são cada vez maiores as desistências, pois as empresas (poucas opções, na verdade) servem um cardápio sem graça e caro demais. A TV aberta resiste, mas todos sabem que jovens não assistem mais, ou sequer conhecem novelas, por exemplo. Esse é um ambiente em ebulição.

Uma das razões para esse caos é que o cancelamento de assinaturas nos Estados Unidos, por exemplo, está se acelerando de forma mais rápida que o esperado pelos executivos de mídia. No último trimestre, quase um milhão de americanos desistiram de suas inscrições em serviços de TV paga, segundo uma estimativa de Craig Moffett, analista de meios de meios de comunicação na MoffettNathanson. (O Netflix acrescentou quase a mesma quantidade de assinantes nos Estados Unidos ao mesmo tempo).

Jovens, grupo particularmente cobiçado pelos anunciantes, estão se afastando da TV de forma especialmente rápida. A quantidade de pessoas com menos de 35 anos que assistem TV tradicional nos EUA caiu pela metade desde 2010, diz Matthew Ball, diretor de estratégia nos Estúdios Amazon.

No caso do Brasil, a séria crise pela qual passamos acelerou ainda mais essa tendência, embora os números sejam desconhecidos. Na semana passada, por exemplo, nos Estados Unidos, o Facebook caiu na boca dos críticos e da concorrência ao divulgar dados informando que tem como meta atingir um público de jovens que tem 25 milhões de pessoas a mais do que os dados oficiais do censo do país. A empresa disse que quer chegar aos 41 milhões de jovens entre 18 e os 24 anos (eles são 31 milhões segundo o Censo) e a 60 milhões entre 25 a 34 anos (são 45 milhões, informou o governo).

Entende-se tanto o esforço do Facebook, que está com os olhos voltados para a divulgação de vídeos, que virá no formato de uma aba, o Watch, invadindo o campo de outros serviços, como o YouTube ou de vídeos por demanda (como Netflix, Amazon, HBO, Hulu e outros). A empresa acredita que quanto mais tempo seus usuários permanecerem no site, mais anúncios verão e o lançamento de vídeos curtos e mesmo pequenos reality shows estão nos planos da inquieta empresa.

Segundo reportagem do New York Times, o futuro da TV é “desordenado e confuso”. Lá nos EUA a tendência de cancelamento de assinaturas gerou um fenômeno chamado de “caça ao canal”. São tantas as novas opções de vídeo por demanda que as pessoas passeiam de aplicativo em aplicativo até encontrar qual era o programa que estavam seguindo.

Isso já aconteceu com você no Netflix? As opções são tantas que a gente até esquece o que estava acompanhando, a não ser que seja uma dessas séries imperdíveis, como “House of Cards”, “Downton Abbey”, “The Crown”, “River”, “Narcos” e outras. Mesmo porque gosto é gosto e cada qual tem o seu. As novelas turcas, por exemplo, encontraram fieis seguidores, que elogiam a discrição e romantismo.

Pois imagine um ambiente no qual por enquanto temos, em volume bastante limitado pelo alto custo para o assinante, Amazon, HBO, Fox, Disney, e os interesses envolvidos na captação de novos clientes. A ousadia do Netflix pegou muitos desprevenidos, e agora a empresa é alvo de uma ofensiva da parte da concorrência. Alguns de seus fornecedores de conteúdo, como a Disney, anunciaram que vão suspender seus contratos com ela e passar seu conteúdo para um serviço próprio. A dúvida é saber se a Netflix terá fôlego para continuar com sua política de produzir conteúdo – o catálogo de produções da empresa é extenso e variado – uma atividade bastante cara. E tudo indica que esse é mesmo o rumo escolhido por ela, pois este ano até levou um filme a Cannes, levando arrepios aos puristas, afinal aquele é o templo da telona de cinema.

Reportagem recente da revista Barron’s revela que o serviço – que tem cerca de 100 milhões de assinantes no mundo, presente em 60 países (sem incluir a China) – gastará muitos bilhões este ano arriscando-se com títulos de ‘alto risco’. Segundo analistas do setor financeiro, mais interessados nos números que na programação, as assinaturas não cobrem todos os custos. A favor da empresa está a marca de ousadia e inovação de seu CEO, Reed Hastings, que soube qual o momento exato de passar da entrega de filmes para aluguel pelo correio, tirando da jogada nos EUA um concorrente do porte da Blockbuster, para depois iniciar o serviço de streaming, canibalizando o seu próprio aluguel de vídeos. Firme na competição está a Amazon, que anunciou um orçamento para conteúdo ao redor dos US$ 4,5 bilhões.

Quem viu a série que agrupou os três antigos participantes do “Top Gear” da BBC, um programa sobre automobilismo, viagens e etc., agora chamado de “The Grand Tour”, percebe que não se fez economia para tentar reconquistar a antiga audiência do programa (antes transmitido por TV a cabo), uma das maiores da história da TV.

O certo é que haverá em breve muito mais opções. Até o Google tem um sistema de streaming, pelo qual se paga por filme. O problema será ajustar a escolha ao orçamento, à garantia de qualidade e o gosto pessoal quanto ao que é oferecido. “Em caso de dúvida”, dizia uma jovem no cinema, ao namorado, “todo mundo acaba escolhendo sorvete de chocolate, não é?” Bom, não é tão simples…

written by Leonardo Trevisan


Comments are closed.