jul 02

Claudia Bozzo
Nicole Garcia, a diretora do delicado, denso e sensível “Um Instante de Amor”(2016), já exibido na Mostra Varilux e agora em circuito normal teve, como atriz, mestres diretores como Bertrand Tavernier e Alain Resnais, com o qual fez o já clássico “Meu Tio na América” (1980). Já o seu prestígio como diretora permitiu-lhe ter em suas histórias atores como Catherine Deneuve e Jean-Pierre Bacri (“Place Vendôme”, 1998), Daniel Auteuil e François Cluzet (“O Adversário”, 2002) Gérard Lanvin e Jean Marc Barr (“O Filho Preferido”, 1994). E agora Marion Cotillard. Em “Um Instante de Amor” ela interpreta Gabrielle, uma instável e enigmática jovem.

Captura de Tela 2017-07-02 às 13.00.08

Bela, elegante, inteligente e talentosa são características que definem as duas, diretora e atriz, mesmo que algumas décadas de idade as separem. No momento, Cotillard é uma das mais requisitadas em vários países, e tem no currículo um Oscar, um Bafta e um César por seu papel em “Piaf: Um Hino ao Amor”, de 2007 e outros 75 prêmios. Foi indicada de novo ao Oscar por interpretar uma combativa trabalhadora, prestes a ser demitida, em “Dois Dias, Uma Noite” (2014).

No papel de Gabrielle, Cotillard traz uma intensidade que choca, ao passar do desejo praticamente irrefreável a um distanciamento misterioso e incompreensível, uma espécie de melancolia. De forma espontânea e imprevisível. O filme é baseado no livro ‘Mal de Pierres’ de Milena Agus, e Nicole Garcia explicou, em entrevista dada em Cannes, quando o filme foi exibido que “foi a própria natureza da personagem, mulher feita desejo que não se reprime e reza a Jesus pedindo que lhe dê ‘la chose principale’. A expressão mexeu comigo. Essa coisa é o sexo, mas também é sagrada. Nós, mulheres, não somos estimuladas, na vida social, a externar nosso desejo, e menos ainda dessa maneira franca e direta.”

Vivendo no campo, em meio a plantações de lavanda, com os pais e a irmã, uma família tradicional e católica, na década de 1950, ela cria constrangimentos que levam sua mãe a sair em busca de um marido que lhe traga a desejada contenção. E o casamento é acertado como se fora um negócio, com o pedreiro José (interpretado pelo catalão Alex Brundemühl, que em 2013 fez o papel de Joseph Mengele em “O Médico Alemão”). Gabrielle alerta o marido de que não terá intimidade com ele e ainda indaga se isso será um problema. “Não”, ele responde. “Há outras mulheres para isso”.

A construção do filme é bastante interessante. Começa com Gabrielle, José e o filho, no banco de trás, dirigindo-se para um concurso de piano em Lion, quando ao passar por uma rua ela nota um endereço. Desce do carro e diz aos dois que sigam, ela os encontrará depois. Há um corte e voltamos à história da jovem, que sofria de dores definidas como câimbras pela mãe.

Já casada, ela vai ao médico, que lhe recomenda uma internação em clínica na Suíça, para tratar-se de ‘mal de pierres’, ou pedras nos rins. O local é o mesmo retratado no livro de Thomas Mann, A Montanha Mágica, escolhido porque na França todas as instituições desse tipo foram renovadas e essa mantém a arquitetura original. Lá ela conhece O tenente André Sauvage (interpretado por Louis Garrel), também em tratamento e vindo da Indochina. Do interesse ela rapidamente passa à paixão e ao amor sem freios.

Nicole Garcia explicou em entrevista o que representa a história para ela: “para mim o cinema está conectado à imaginação. A imaginação tem a função de consertar as coisas que não funcionam na vida. Isso é cinema para mim e é o que a imaginação faz por Gabrielle”. É uma bela explicação para o final escolhido. E uma boa notícia: um filme francês sem final em aberto….

written by Leonardo Trevisan


Comments are closed.